Economia de Água

Água: a fonte da vida, mas em breve insuficiente para toda a população

O consumo mundial de água aumentou cerca de seis vezes no século 20, em decorrência, principalmente, do elevado crescimento populacional e do uso indiscriminado de água para a irrigação e a indústria. Outro motivo consiste na poluição dos mananciais, ligada aos despejos produzidos pelas indústrias e agricultura, bem como pela falta de saneamento, dando subsidio a previsões de que, em 2050, uma em cada quatro pessoas viverá num país com problemas de desabastecimento de água. 

O Saneamento básico como solução para a escassez de água e a saúde da população

Atualmente, cerca de 2,4 bilhões de pessoas vivem sem saneamento básico, de forma que cada litro de esgoto produzido e não tratado é capaz de contaminar pelo menos outros 10 litros de água limpa, causando doenças que matam milhões de indivíduos em todo o mundo. O excesso de consumo e a poluição podem comprometer o acesso do brasileiro à água, tornando necessária a mudança nas atitudes de consumo a fim de conservar esse recurso.

Conscientização socioambiental também como solução para escassez de água

Cabe também as organizações promoverem a conscientização socioambiental da comunidade onde atuam e da sociedade em geral. Isso porque a questão ambiental diz respeito a cada um de nós. Nesse início do século 21, a expectativa é de que cerca de um terço dos países do mundo sofrerá com a escassez permanente de água. Para que a água continue sendo potável e suficiente para todos, a a população precisa se conscientizar da importância dela para as suas vidas e mudar seus hábitos. A água não é um bem de consumo, portanto não deve ser tratada como tal. Na verdade, trata-se de um recurso natural essencial para a vida e cada vez mais ameaçado.

A maior parte da água doce existente no mundo está concentrada em apenas dezenove países. E o Brasil é uma das nações privilegiadas, pois possui 13,7% da água doce do planeta, embora sofra com problema de concentração dos mananciais: 70% encontram-se na região Norte. O consumo de água em nosso país divide-se da seguinte forma: 59% são destinados à agricultura, 22% para uso doméstico e 19% para uso industrial.

Confira abaixo algumas ideias básicas para redução do consumo de água:

Fechar a torneira ao escovar os dentes -  cada vez que sete pessoas fecharem a torneira ao escovar os dentes, haverá uma economia de aproximadamente, 112 litros de água tratada, o que é suficiente para atender as necessidades diárias de uma criança.

Usar uma bacia para lavar a louça – ao lavar a louça durante 15 minutos com a torneira aberta, em um apartamento, onde a pressão da água é maior do que em uma casa, gastam-se 240 litros de água. Mas se for usada uma bacia cheia d’água, ou a própria pia, para ensaboar a louça e abrir a torneira somente para o enxágue, será possível reduzir esse tempo para 5 minutos e, consequentemente economizar 160 litros.

Não usar o vaso sanitário como lixo – quando se aciona a descarga para se livrar de algum resíduo, como pontas de cigarro, por exemplo, 10 litros de água tratada de boa qualidade descem pelo ralo.

Não utilizar o esguicho para limpar a calçada – ao varrer o quintal ou a calçada, deve-se lembrar que a cota individual da água de cada cidadão é pequena, devendo-se utilizar a vassoura e não a mangueira.

Eliminar vazamentos – grande quantidade de água é desperdiçada no Brasil em vazamentos. Assim, se um cano tiver, por exemplo, um buraco de apenas 2 milímetros, o vazamento de água, ao longo de um ano, será de cerca de 1,15 milhão de litros.

Reduzir o tempo de banho – se 1 milhão de famílias reduzissem a ducha diária de 12 para 6 minutos, tornando desnecessária a construção da usina nuclear.

Não despejar o óleo usado na cozinha diretamente no ralo da pia – despejar o óleo pelo ralo entope a rede de esgoto e contamina os rios. A melhor opção é coá-lo, guardá-lo em uma garrafa, e quando encher entregar para uma entidade ou pessoas que fazem sabão com o óleo usado.